A evolução tecnológica, o aumento da disponibilidade de acesso à Internet e a comodidade das tecnologias móveis têm impulsionado a acessibilidade e a proliferação do jogo online. No entanto, podem fazer-se escolhas mal informadas, nos casos em que a informação não é suficientemente clara ou transparente.

A INVESTIGAÇÃO EM TORNO DO JOGO

A INVESTIGAÇÃO EM TORNO DO JOGO

Presentemente parece claro que a área de pesquisa sobre os custos sociais e económicos e os benefícios do jogo é uma área controversa, dado ser recente, estar sobrecarregada de jargões e ser atravessada por várias disciplinas.

De facto, em comparação com áreas de investigação científica mais maduras, o estudo dos fenómenos relacionados com o jogo é relativamente recente. Consequentemente, cientistas e clínicos têm incontáveis oportunidades de desenvolver novas áreas de investigação e abordagens de tratamento.

Em contrapartida, áreas imaturas como os estudos de jogos de azar também proporcionam oportunidades para os quase-cientistas ou mesmo charlatães influenciarem o público, decisores políticos e talvez a eles próprios, no sentido de pensarem qua a sua “evidência” pode suportar um tratamento particular ou política pública.

A agravar os problemas da existência de investigação de qualidade está o facto de esta ser uma área de grande impacto (a indústria dos casinos é importante para muitas economias locais e algumas economias nacionais), pelo que os políticos exigem algum tipo de evidência ou suporte para as suas posições e decisões relativamente ao jogo. Na ausência de investigação de qualidade, os “quase-cientistas e charlatães”, mencionados por Shaffer et al. (2001), são vistos como proeminentes especialistas.

A investigação em torno do jogo é, ainda, uma área apetecível para “empreendedores políticos” cujo primeiro propósito é influenciar a política e quem oferece “diagnósticos inequívocos mesmo quando a evidência é incerta”. Ou seja, um número de organizações usa a investigação do jogo nos seus esforços de pressão tanto a favor como contra a expansão do jogo. A investigação publicada, referida por grupos de pressão, não é necessariamente tendenciosa. Contudo, as organizações que pretendem a expansão do jogo citam a investigação que suporta o seu ponto de vista, assim como os seu opositores citam estudos que refletem a sua perspetiva, ambos “ignorando” intencionalmente a existência de possíveis contraditórios.

link 1  ESTUDOS, ARTIGOS E PUBLICAÇÕES – JOGO RESPONSÁVEL

2017

The Perceived Risks of Adopting a Responsible Gambling Behavior: Development and Validation of a Reliable Measurement Index (An Abstract)
Anne-Claire Pin, Karine Picot-Coupey, Olivier Droulers (2017)
Consultar     Saiba Mais
2016
Em atualização
2015
Em atualização
2014

Rating the Suitability of Responsible Gambling Features for Specific Game Types: A Resource for Optimizing Responsible Gambling Strategy

Richard T. A. Wood, Gillian W. Shorter, Mark D. Griffiths

2013
Em atualização
2012
Em atualização
2011
Em atualização
2010
Em atualização
2009
Em atualização
2008
Em atualização
2007
Em atualização
2006
Em atualização
2005
Em atualização
2004
Em atualização
2003
Em atualização
2002
Em atualização
2001
Em atualização
2000
Em atualização